Uma indústria moderna e competitiva

A expressiva capacidade instalada de mais de 5 milhões de toneladas/ano coloca o Brasil como o maior produtor de resinas plásticas da América do Sul e oitavo do mundo. Apesar disso, o consumo per capita de produtos plásticos no País ainda é pequeno (aproximadamente 23,2 kg/hab/ano), se com-parado a outros mercados como Estados Unidos e Europa (93 kg/hab/ano).

O potencial de consumo do mercado brasileiro e a forte presença do plástico em novas aplicações são fatores de indução à realização de grandes investimentos para a expansão da indústria petroquímica no Brasil. Merecem destaque os investimentos nos últimos seis anos, aproximadamente de US$ 4 bilhões, realizados pelo setor para ampliação da capacidade produtiva, aquisição de máquinas e aumento da competitividade. Além disso, o setor investe constantemente em pesquisa e desenvolvimento, aperfeiçoamento técnico e profissional, acompanhando o desenvolvimento da indústria petroquímica mundial.

Atualmente, a indústria petroquímica brasileira exporta mais de US$ 710 milhões por ano. A indústria de resinas, 2ª geração petroquímica, está em franca expansão, gerando em média 18 mil empregos diretos e indiretos, em sua maioria qualificados. O setor é indutor de mão-de-obra ao fornecer matéria-prima para a indústria de transformação plástica, que por sua vez é responsável pela geração de aproximadamente 220 mil empregos diretos e indiretos.