Braskem diz que volume de PP verde fornecido a parceiro ainda é restrito
29/09/2008

As primeiras remessas de polipropileno (PP) verde enviadas pela Braskem a um parceiro, cujo nome não foi revelado, ainda não permitirão a esta empresa, desenvolver produtos com a resina. Segundo a petroquímica, o volume ainda é limitado e possibilitará ao parceiro, apenas a análise da formulação do PP, assim como comprovar se o polipropileno verde é de fato originário de fontes 100% renováveis - no caso, a cana-de-açúcar. De acordo com a Braskem, o desenvolvimento de produtos plásticos, a partir de PP verde deverá percorrer um longo caminho, assim como ocorreu com o polietileno verde, cujas pesquisas foram iniciadas em 2004 e que foi convertida em produto final, apenas em 2008. E, no caso do PP verde, a demora até o desenvolvimento total do produto, deve levar, no mínimo, o mesmo período. A elaboração do PP verde foi anunciada, pela Braskem, na última quinta-feira (25). A empresa anunciou também que, depois do polietileno verde ser certificado na categoria de matéria-prima 100% renovável pelo laboratório Beta Analytic Inc, agora é a vez do polipropileno feito de cana também receber o selo.

(Fonte: Agência Estado e a Gazeta Mercantil)