Pan-Americana planeja dobrar produção
22/09/2008

Em um momento de aperto internacional de liquidez, dispor de recursos próprios para investimentos é garantia de realização do planejamento estratégico. É o que está fazendo a Pan-Americana S.A. - Indústria Química, empresa carioca que está anunciando, em meio à crise financeira, investimento de R$ 20 milhões até 2010. Os recursos serão usados para ampliar em 30% a capacidade de produção de potassa cáustica, cloro, carbonato de potássio, soda cáustica e outros derivados de cloreto de potássio e de cloreto de sódio. As duas unidades da empresa, instaladas no município do Rio, serão ampliadas, passando do total de 100 mil para 130 mil toneladas anuais. A previsão é elevar o faturamento de R$ 200 milhões em 2007 para cerca de R$ 300 milhões, em 2010. Segundo Carlo Cappellini, presidente da empresa, o cloreto de potássio é todo importado da Alemanha (5.000 toneladas/mês) e o fornecimento para expansão da capacidade produtiva já está assegurado, embora nos últimos seis meses o preço da matéria-prima tenha registrado aumento vertiginoso. Na linha de potássio, a empresa produz também, entre outros derivados, o carbonato de potássio, usado na produção de vidros e de fertilizantes. Já na linha de derivados do cloreto de sódio, adquirido nas salinas do Nordeste do Brasil, a empresa produz, principalmente, o cloro, utilizado no tratamento de água potável (principal fornecedor do Rio de Janeiro) e na indústria petroquímica (PVC e MDI, principalmente), o ácido clorídrico, usado como reagente químico, e a água sanitária concentrada (hipocloreto de sódio).


(Fonte: Valor Econômico)