Braskem em expansão
04/09/2008

O crescimento da Braskem passa pelos projetos de elevação de capacidade. Até 2012, a expectativa é agregar 2,3 milhões de toneladas de resinas à produção total, que no primeiro semestre de 2008 foi 1.327.535 milhão de toneladas, cerca de 6% inferior ao mesmo período do ano passado. Parte do incremento partirá do Brasil, com a expansão das plantas de Polipropileno (PP) em Paulínia (SP) e de PVC em Alagoas, com investimentos previstos da ordem de US$ 350 milhões por planta. Outra aposta da companhia é o projeto de Polietileno (PE) verde. Com capacidade de 200 mil toneladas, e investimentos de R$ 450 milhões, a planta localizada em Triunfo (RS), deve atender a uma demanda estimada prevista de cerca de 500 mil toneladas a partir de 2010. A intenção é exportar a resina, produzida através de 460 milhões de litros de etanol, comprado no Estado de São Paulo, para Estados Unidos, Europa e Japão. No primeiro semestre, foram investidos R$ 797 milhões. Outros planos de participação no mercado mundial de resinas termoplásticas devem ser concretizados a partir dos projetos na Venezuela, e talvez, no Peru. Na Venezuela, a Braskem participa através de 49% em uma joint venture com a estatal Pequiven e 2% em uma trade japonesa. As produções de PP e PE devem iniciar em 2010 e 2012, respectivamente, e agregar 450 mil e 1,100 milhão de toneladas ao ano. O mercado internacional têm se beneficiado do real valorizado, que facilita a exportação para o Brasil. A empresa também está olhando para o crescimento da demanda internacional, deve tocar o projeto na Venezuela, mesmo que em ritmo menor. A produção da Venezuela deve ser vendida aos Estados Unidos. O estudo que a empresa faz no Peru é para um projeto de produção de resinas utilizando o gás-natural como matéria-prima, que é considerado de qualidade.

(Fonte: Monitor Mercantil Digital)