Indústria sobe preços e eleva risco de espiral inflacionária
26/06/2008

O espectro de inflação voltou a assombrar a economia mundial na quarta-feira (24), quando um leque de companhias — da americana Dow Chemical à sul-coreana Posco —, anunciou fortes altas de preços para enfrentar a disparada no custo de energia e de matérias-primas. As decisões da Dow, maior grupo químico nos EUA, e da Posco, quarta maior siderúrgica do mundo, vieram junto com a advertência de Charles Holliday, executivochefe da DuPont, gigante do setor químico, de crescente pressão inflacionária no setor empresarial. “A inflação chegou para valer”, disse Holliday ao “Financial Times”, acrescentando que empresas como a DuPont enfrentam “enormes pressões de custos” e têm a “obrigação” de elevar seus preços para compensar altas nos custos.

A alta sustentada dos preços do petróleo e commodities impactou diversos setores, afetando, por exemplo, companhias aéreas e fabricantes automobilísticos, e aprofundou os temores de uma espiral inflacionária mundial — que já provocou manifestações de protesto em toda a Ásia, devido ao repasse das altas nos preços para fabricantes e consumidores finais. Andrew Liveris, executivo-chefe da Dow, disse que a decisão de aumentar os preços dos produtos da companhia em até 25 % — a maior alta na história da companhia — visou contrabalançar um “enorme” aumento nos custos. A Dow deverá gastar US$ 32 bilhões em energia e matérias-primas derivadas de petróleo neste ano, mais de quatro vezes o valor gasto em 2002, disse a empresa.

(Fonte: Valor Econômico)