Siresp propõe revisão do preço da nafta
23/06/2008

Até o final desta semana a Petrobras deve receber a proposta das petroquímicas para um novo cálculo do preço da nafta. O documento, com o estudo completo para a precificação considerada mais indicada para o Brasil pelas petroquímicas, está sendo finalizado nos próximos dias, segundo Vítor Mallmann, presidente do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp) e da Quattor (empresa recém-formada pela associação da Unipar com a Petrobras). De acordo com Mallmann, o cálculo do preço da nafta hoje se baseia no mercado europeu, onde a referência é o petróleo Brent, no contrato futuro para 30 ou 60 dias, mais um spread e os ajustes logísticos. O que as petroquímicas pedem, basicamente, é a redução proporcional ao petróleo bruto que o Brasil exporta, cuja a diferença chega a US$ 16 por barril, em média, nos últimos 18 meses. Segundo Mallmann há um consenso no setor de que a evolução dos preços do petróleo no mercado internacional, aliada às expectativas criadas pelas notícias de descobertas de novas jazidas pela Petrobras, levam a acreditar que este seja um bom momento para se estabelecer uma nova fórmula de preços para a nafta. "Com a mudança do cenário, a forma de fazer o cálculo deve ser alterada", diz. A redução do preço da nafta é fundamental para a indústria, uma vez que o insumo é essencial na produção de resinas plásticas, mercado muito promissor no qual há segmentos como o de polipropileno, por exemplo, que cresce o dobro das taxas de alta do PIB.


(Fonte: Gazeta Mercantil)