Siresp negocia metas e redução de ICMS em SP
20/03/2008

O Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp) tem novo comando. A entidade, que reúne os fabricantes de matérias-primas usadas pela indústria do plástico, será comandada pelo vice-presidente da Unipar, Vítor Manuel Cavalcanti Mallmann.

Ele substitui José Ricardo Roriz Coelho, que deixou o segmento de resinas para trabalhar na Vitopel, fabricante de filmes para embalagens. O mandato da atual diretoria irá até 2010. O Siresp tem duas dezenas de associados, número que tem sido reduzido nos últimos anos por conta da concentração no mercado, em especial entre os produtores de polipropileno e polietileno, os produtos mais usados.

Na agenda à frente do Siresp, Mallmann, que era o número 2 na entidade, deixou claro que um dos objetivos é elevar a "competitividade" da indústria paulista. No fim de 2007, o governo de São Paulo condicionou a redução da alíquota de 18% para 12% nas vendas internas de resinas ao cumprimento de metas de arrecadação, investimento e geração de emprego.

"É preciso trazer a isonomia do ICMS ao Estado de São Paulo", afirmou Mallmann. Hoje, os insumos de operações interestaduais de fabricantes de outros Estados, como Rio Grande do Sul e Bahia, pagam alíquota de 12%. Nestes Estados, a Braskem, a maior petroquímica do país, é a principal produtora de resinas plásticas.

O Siresp ficou encarregado de negociar as metas com o governo paulista. "Já entregamos a proposta na semana passada." Ele lembrou que Petroquímica União, Polietilenos União e a Nova Petroquímica estão concluindo em 2008 investimentos de quase R$ 2 bilhões. Mallmann disse que o Siresp também irá se envolver em projetos ligados à inovação e temas ambientais vinculados ao descarte do plástico na natureza. "Além da reciclagem mecânica, é preciso avançar na reciclagem energética."

Formado em engenharia química, com especialização de engenharia econômica pela UFRJ e mestrado pela Coppe, Mallmann, de 46 anos, entrou na Unipar em 1992, depois de passagem pela Petroquisa e Ultra. Cuida também da área de relações com investidores da Unipar. Nos últimos tempos, seu nome surgiu como um dos candidatos a comandar a Companhia Petroquímica do Sudeste (CPS), empresa que está sendo formada pela Unipar em sociedade com a Petrobras. (Fonte: Valor Econômico)