Indústria planeja ampliar capacidade em 11% e setor petroquímico amplia produção
20/03/2008

A capacidade instalada das indústrias deve registrar em 2008 um aumento significativo, em função de investimentos realizados em anos anteriores e o crescimento da demanda interna. De acordo com sondagem realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) junto a 381 indústrias do setor de transformação, a capacidade instalada deve se expandir em 11% neste ano, quatro pontos percentuais acima do verificado em 2007. O índice é o mais alto da série, iniciada em 2004. A expansão será mais significativa nos setores de alimentos (13%) e bens de capital (12%).

No triênio 2008-2010, os investimentos em expansão previstos serão mais fortes em produtos alimentares (17%), metalurgia (13%) e minerais não-metálicos (12%). Para Júlio Gomes de Almeida, consultor do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), a expansão de 11% pode aliviar a pressão em setores que operam com a capacidade instalada acima de 85%. O setor petroquímico nacional está investindo em expansão da capacidade produtiva. A Petroquímica União (PQU), do grupo Unipar, que recebeu investimentos de R$ 1,2 bilhões, elevará sua produção anual de eteno de 500 mil para 700 mil toneladas já a partir de outubro deste ano.

Deste volume, cerca de 120 mil toneladas do insumo serão produzidos a partir do gás de refinaria; o restante continuará sendo fabricado via nafta. Já a Petroquímica Paulínia, novo complexo industrial da Braskem em parceria da Petroquisa (braço petroquímico da Petrobras) com start-up previsto para abril, ampliará em 350 mil toneladas a capacidade produtiva de polipropileno (PP) da empresa. A empresa também constrói uma nova unidade de PVC em Alagoas, a planta aumentará em 200 mil toneladas a produção da resina até 2010. (Fonte: Valor Econômico)