Cresce exportação de resinas plásticas no primeiro quadrimestre de 2005
01/6/2005

Empresas tiveram que buscar novos mercados no exterior para compensar fraco desempenho do mercado interno no período

Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp), junho de 2005 - As vendas externas de resinas plásticas no primeiro quadrimestre de 2005 tiveram incremento de 20% no comparativo com o mesmo período de 2004. Foram 297,9 mil toneladas exportadas, com destaque para o PEBDL, que teve elevação de 78,9%, EVA, com 48,9% e PP, com 32,4%. Segundo o presidente do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp), José Ricardo Roriz Coelho, o aumento das exportações é conseqüência de um redirecionamento nas vendas de resinas. "Com o mercado interno desaquecido, é natural que as empresas busquem alternativas, embora o câmbio não seja um fator de apoio neste processo", afirma o executivo.

A produção de resinas termoplásticas registrou incremento de 6% no comparativo com o mesmo período de 2004. Neste cenário, o destaque ficou por conta do mês de fevereiro quando a produção foi 10,6% superior ao mesmo mês do ano passado, impulsionando a produção do primeiro quadrimestre para mais de 1,34 milhão de toneladas.

Os números do Siresp também apontam elevação no consumo aparente (produção + importação - exportação). O aumento de 4,6% foi puxado, principalmente, pelo PVC, com consumo 16,7% superior ao ano anterior. EVA, PEAD e PP apresentaram aumento de 9,9%, 7% e 2,6%, respectivamente. Roriz Coelho prevê crescimento no consumo per capita de termoplásticos e também acredita no crescimento do setor em 2005. "Nossa expectativa é que a média no consumo de termoplásticos passe de 23,2 kg/hab, em 2004, para 25 kg/hab em 2005, alavancando um crescimento de 8% do setor. É para isso que estamos trabalhando", explica.

O balanço do Siresp ainda aponta que a indústria de resinas operou no primeiro trimestre deste ano com 81% de sua capacidade produtiva, número 4% superior ao ano anterior, quando se situava na faixa de 77%. A indústria de insumos petroquímicos, por sua vez, trabalhou com 94% de sua capacidade instalada, superior aos 86% registrados no primeiro quadrimestre de 2004. "Estamos atentos a fatores econômicos, como taxas de juros e câmbio, e políticos, como o calendário eleitoral. São fatores determinantes para o bom desempenho da economia este ano", completa Roriz Coelho.

Informações adicionais para imprensa Yellow Comunicação (11) 3061 4074 Thiago Santos e Marcio Freitas