Adesão à rodada do plástico cresce 50% no Grande ABC
27/09/2007

A segunda edição da Rodada de Negócios Plásticos aumentou em pelo menos 50% o número de empresas participantes. Na primeira edição foram 169 empresas presentes, mais 13 coordenadoras e 13 âncoras (espécie de consultoras para tirar as possíveis dúvidas do empresário quanto ao setor). Na edição deste ano, que acontecerá no dia 9 de outubro, serão 272 empresas, sendo 54% do Grande ABC paulista, 34% da Grande São Paulo, 6% do interior do estado e três internacionais. No total, serão 306 empresas.

A rodada faz parte de um conjunto de ações para estimular o setor plástico na região e trazer mais empresas para o ABC. Segundo o diretor de desenvolvimento econômico de Santo André, David Gomes de Souza, a intenção é dobrar o número de postos de trabalho. "A mão-de-obra explode na terceira geração, que é a transformação de petroquímicos em produtos de consumo", explicou. Das 8,5 mil empresas presentes no País, 4 mil estão concentradas no Estado de São Paulo e cerca de 600 no Grande ABC. "Nós somos o primeiro pólo do setor no País".

Segundo dados do Ministério do Trabalho, em 2000, eram 12.984 empregados no setor plástico, atingindo 15.286 em 2005. Com relação às empresas, o salto foi de 399 para 452, aumentos de 13% e 18%, respectivamente.

Outras ações estão sendo desenvolvidas. Um dia antes da Rodada de Negócios, será promovido um seminário - cujo custo, se somado à rodada, para a prefeitura chega a R$ 410 mil - para debater e apresentar propostas para desenvolver a indústria de transformação de plásticos na região.

O 6º Seminário do Setor Plástico do Grande ABC será realizado em Santo André e terá entrada franca. Uma iniciativa da Agência de Desenvolvimento do Grande ABC, Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, Câmara do Grande ABC e prefeitura, o seminário tem patrocínio da Apolo, Petrobrás, Polietilenos União, Petroquímica União, Solvay Indupa, Suzano Petroquímica e, apoio de instituições, associações, sindicatos, universidades, empresas, indústrias e ONGs.

Em formato de talk show, o evento terá a participação de empresários, técnicos, gestores públicos que discutirão "Rumos da Competitividade: Os desafios para o complexo petroquímico-plástico no Grande ABC".

Condomínio do Plástico

Outra iniciativa regional é o Condomínio do Plástico. O prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), já anunciou a instalação do Condomínio Tecnológico & Industrial do Plástico (CTIp) em um terreno de quase 500 mil m², em Paranapiacaba, com a previsão de investimentos que chegam a R$ 35 milhões.

As expectativas são de que o faturamento do CTIp atinja R$ 110 milhões no primeiro ano e R$ 170 a partir do terceiro ano, gerando assim, cerca de R$ 7,1 milhões de valor adicionado de ICMS nos dois primeiros anos.

A Associação dos Transformadores de Plástico do ABC (Atplas ABC), compradora do terreno, pretende expandir seus negócios com empresas interessadas no projeto.

"Nós vamos conversar com todas que vierem nos procurar, mas damos preferência para as do setor plástico e que não sejam poluentes", disse o coordenador da Atplas ABC e dono da Ecus Injeção (uma das sete empresas do grupo), Osvaldo Baradel.

Quanto a empregos, o condomínio deve gerar cerca de 1.530 diretos e 4.500 indiretos. (Fonte: DCI)