Dow paralisa entrega de matéria-prima para colchões de espuma
20/08/2007

A crise no fornecimento de diisocianato de tolueno (TDI), principal insumo para a produção de espuma poliuretana utilizada para produzir colchões, já começa a afetar a fabricação desses produtos. Segundo apurou o DCI, a Probel anunciou a seus clientes, na semana passada, que a comercialização de colchões de espuma está cancelada por tempo indeterminado, até que se normalize o fornecimento do insumo.

A Dow Brasil, uma das empresas que fornecem o TDI, está com problemas para fabricar o produto. A empresa informou seus clientes e fornecedores, que por "estado de força maior" o cancelamento da fabricação do produto em Camaçari (BA). "Esta situação é resultado de uma interrupção de fornecimento de matéria-prima básica para a produção de TDI", explicou o comunicado. Segundo a empresa, a interrupção estimada é de pelo menos 10 dias. A capacidade de retomada do fornecimento ainda não foi determinada.

O tolueno é a principal matéria-prima para a produção do TDI. A capacidade brasileira de produção, segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), é de 296 mil toneladas. Quem fornece tolueno para a Dow em Camaçari é a Braskem, que produz 42 mil toneladas por ano do produto.

Alternativa

A crise no fornecimento de TDI abriu espaço para o crescimento da Purcom, uma fabricante independente de sistemas de poliuretano (PU) . A empresa detém a tecnologia de produção de espumas flexíveis a partir do metildifenil isocianato (MDI) e do poliol. O produto, com preço um pouco mais elevado que o TDI, é uma opção para os fabricantes no momento de escassez, em que não se discute preço.

"Várias empresas já nos procuraram e iniciaram testes com a mistura. Estão esperando só acabar o estoque de TDI para começar a utilizar", diz Gerson Parreira, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Purcom.

Mas, com capacidade inicial de produzir 100 toneladas da mistura por mês, podendo chegar até 400 t, a empresa não tem intenção de abastecer todo o mercado.

Além dos fabricantes de colchões, produtores de bancos de automóvel, travesseiros e móveis estofados utilizam as espumas flexíveis. Algumas empresas, como a paranaense Móveis Gavin, já aderirem ao uso do MDI com poliol. (Fonte: DCI)