Movimento nos portos da Bahia cresce 25,7%
19/07/2007

Os portos de Aratu, Salvador e Ilhéus, os três principais da Bahia, fecharam o primeiro semestre com movimentação de 5,1 milhões de toneladas. O volume, recorde, foi 25,7% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. O recorde anterior, de 4,9 milhões de toneladas, foi registrado nos primeiros seis meses de 2005, segundo a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), que administra os portos.

Aratu, o maior dos três terminais, movimentou 3,2 milhões de toneladas, o que representou um crescimento de 32%. Granéis líquidos, utilizados no embarque e desembarque de nafta petroquímica, e sólidos, nos quais se destacaram fertilizantes, minério de manganês e carvão mineral, foram os principais responsáveis pelo aumento, segundo a Codeba.

O volume de carga no porto de Salvador, de quase 1,5 milhão de toneladas, avançou 12,1%, impulsionado especialmente pelas cargas de trigo. Em Ilhéus, com alta de 31%, para 403 mil toneladas, ajudou no resultado a carga de 52 mil toneladas de farelo de soja da empresa Agenco.

Ainda que o aumento no volume movimentado nos três terminais tenha sido relevante, técnicos e dirigentes ligados à área portuária fazem ressalvas. "O crescimento na movimentação mostra o avanço da economia baiana, mas não da produtividade dos portos. Mais carga tem sido transportada com a mesma infra-estrutura", diz Paulo Villa, diretor executivo da Associação dos Usuários dos Terminais Portuários de Salvador (Usuport). "Estamos assustados com as filas de navios em Aratu, e isso tende a piorar no segundo semestre".

As 52 grandes empresas ligadas à entidade respondem por dois terços do volume de carga que passa pelos portos de Salvador e Aratu. Villa citou o pagamento de taxas por permanência além do tempo previsto em Aratu como mostra do afunilamento da capacidade dos terminais: em 11 anos, até 2006, essas taxas somaram US$ 275 milhões.