Suzano deve exercer direito de preferência na PQU
28/06/2007

A Suzano Petroquímica vai possivelmente exercer o direito de preferência de compra das ações da Dow Brasil, subsidiária da Dow Chemical, na Petroquímica União (PQU), a central de matérias-primas do ABC paulista. A Suzano tem até o dia 25 de agosto para exercer seu direito, depois de a Unipar, petroquímica controlada pela família Geyer, ter acertado a compra, na segunda-feira, da fatia de até 13% da Dow na PQU por R$ 210 milhões, além de uma fábrica de resinas em Cubatão (SP).

Estamos analisando a opção, mas possivelmente faremos, disse José Ricardo Roriz Coelho, um dos presidentes da companhia controlada pela família Feffer. A Suzano poderá aumentar sua fatia na PQU de 6,76% para até 9,80% das ações ordinárias, caso os demais acionistas da central de matérias-primas - Oxiteno (Ultra) e CBE (Unigel) - optem por ficar de fora da operação. O negócio deve custar cerca de R$ 20 milhões à Suzano.

Neste desenho, a Suzano poderá chegar até a 14,36% das ações do bloco de controle da Petroquímica União, ao passo que a Unipar ficará com 78,93% da fatia acionária do bloco, obtendo voto qualificado nas decisões estratégicas.

Depois de a Unipar fortalecer sua posição na petroquímica do Sudeste, a Suzano se depara diante da situação de negociar uma posição importante na região. A Suzano, que já demonstrou no passado recente interesse em controlar majoritariamente os ativos do Sudeste, em detrimento da posição da Unipar, que aceita um controle compartilhado, disse ontem que ainda falta consenso para a tomada de uma decisão.

A Unipar fez dois movimentos importantes, de compra das ações da SEP (empregados da PQU) e da Dow. Agora, o passo seguinte é uma composição que passa por Suzano, Unipar e Petrobras, disse Roriz. O executivo afirmou que não existe um desenho definido para a nova empresa com atuação no Sudeste.

Ele não quis adiantar uma posição a respeito de uma estrutura compartilhada de poder (como a Unipar já acenou), nem de controle majoritário dos ativos (como já indicou a Suzano, no passado).

Não vamos deixar a petroquímica, disse, afirmando também que não existe o interesse em fazer uma oferta pela Unipar.

Em encontro com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), David Feffer, acionista do grupo Suzano, preferiu evitar o assunto: As perguntas que eu não sei responder prefiro passar para ele, brincou o Feffer, indicando o outro presidente da Suzano Petroquímica, João Nogueira Batista. Segundo Batista, a Suzano acredita que o setor petroquímico precisa passar por um processo de consolidação.

Estamos abertos a discutir uma associação, mas não existem prazos para que isso aconteça, afirmou o co-presidente. (Fonte: O Globo)