Indústria química tem alta de 3% no quadrimestre
04/06/2007

O reaquecimento do mercado interno e um cenário favorável no exterior tem ajudado a indústria química nacional a apresentar neste ano resultados mais fortes que em 2006. O segmento registra alta de 3,19% na produção no quadrimestre na comparação com mesmo período do ano passado, segundo números da Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química). No acumulado dos 12 meses, a expansão chega a 4,59%.



A alta ocorreu apesar da queda em abril, quando as empresas do segmento contabilizaram um recuo de 3,66% frente ao mês anterior. Isso não chegou a assustar os especialistas, já que houve um expressivo crescimento (de 12,73%) na fabricação de itens químicos em março.



“A queda não preocupou, porque março foi muito bom. A redução não está associada a desaquecimento”, avalia a diretora técnica de Economia e Estatística da Abiquim, Fátima Giovanna Coviello Ferreira, que elenca entre os fatores para a redução no mês paradas de manutenção em algumas fábricas e a menor quantidade de dias úteis.



Segundo o diretor comercial da PQU, Marcelo Bianchi, outro fator que pesou foi o início de um novo movimento de alta nos preços do petróleo e da nafta no mercado internacional. “Quando a nafta começou a subir, houve antecipação de compras por parte dos transformadores (fabricantes de peças e embalagens de plástico) em março”, afirmou Bianchi.



Dessa forma, como os clientes se estocaram, as vendas do setor caíram em abril 7,77% em relação a março.



Os fabricantes também não se assustam, pois o mercado internacional ainda está favorável. As exportações no quadrimestre cresceram 18%.



PREÇOS - A elevação nos custos da matéria-prima impactou nos preços da indústria química nacional. Nos últimos dias, o preço do petróleo voltou a ultrapassar a faixa dos US$ 70 o barril. A nafta petroquímica também disparou. Cotada em dezembro a US$ 515, a tonelada saltou no final de maio para US$ 695.



Com a alta dos insumos, os preços dos produtos químicos no País tiveram elevação de 0,74%, depois de dois meses de queda.



Petroquímica União registra lucro 384% superior



Do Diário do Grande ABC



A Petroquímica União, de Santo André, comemorou os resultados do primeiro trimestre. A empresa registrou lucro líquido de R$ 50,4 milhões, valor 384% superior ao ganho obtido no mesmo período do ano passado.



O diretor comercial, Marcelo Bianchi, explica que, em parte, a forte expansão se deve à base de comparação fraca, já que o início de 2006 teve resultados ruins – foi o período de disparada do preço do petróleo.



Ele acrescenta que o desempenho também foi causado pela recuperação de margens de lucro, devido por exemplo ao aumento de vendas de itens de maior valor agregado. Já as vendas totais (em volume) cresceram apenas 1,5% na comparação com os três primeiros do ano passado.



No mercado interno, a companhia (que é produtora de itens petroquímicos básicos, como eteno e propeno, que é insumo para a fabricação de resinas plásticas) se beneficiou do aquecimento do mercado de resinas. Essa atividade ganhou impulso por conta de demandas do segmento da construção civil, embalagens e bens de consumo duráveis.



Houve ainda a melhora da cotação internacional de itens petroquímicos como propeno e butadieno, o que ajudou na recuperação da rentabilidade.



As exportações da empresa cresceram 100% no período na comparação com o primeiro trimestre de 2006.(Fonte: Valor Econômico)