Setor de plástico terá normas de qualidade
10/05/2007

Após um ano e meio de discussão, a Comissão de Estudo de Filme Plástico Agrícola concluiu a primeira parte da norma Filmes Plásticos Agrícola para Cultivo Protegido, que define padrões do produto para cobertura de estufas. O texto deve ser colocado em consulta pública até o fim do mês pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

O objetivo é criar especificações que atendam ao perfil da agricultura brasileira, principalmente em relação ao clima. No item 5, por exemplo, a norma prevê que 'o filme plástico agrícola para cobertura de estufas deve ser fabricado com resinas virgens de polímeros ou copolímeros de etileno, não sendo permitida a incorporação de material reciclado.'

A tendência, diz o diretor do Comitê Brasileiro de Desenvolvimento e Aplicação de Plásticos na Agricultura, Antonio Bliska Jr, é melhorar a qualidade dos plásticos produzidos no Brasil, permitindo que a indústria amplie prazos de garantia. 'As normas irão ajudar a reduzir preços.' O próximo passo é criar um selo de qualidade para o setor.

ECONOMIA

O horticultor Wilson Stech, de Louveira (SP), aderiu ao cultivo protegido há 15 anos. Ele explica que, com o tempo, o plástico perde a capacidade de transmitir luz e a planta não se desenvolve como deveria. É preciso trocar a cada dois anos. 'Além do preço do plástico, tem a mão-de-obra. A gente não consegue repassar os custos para o produto final.' Com a norma, ele acredita que poderá exigir a qualidade. NIZA SOUZA(Fonte: O Estado de S. Paulo)