Unipar tem lucro de R$ 91 milhões em 2006
19/03/2007

A Unipar, holding da família Geyer no ramo petroquímico, viu seu lucro recuar 51% e atingir R$ 91 milhões no ano passado. A alta das matérias-primas no setor e a valorização do real tiveram impacto sobre o desempenho de controladas.

A companhia observou melhora nos resultados do quarto trimestre de 2006, quando o lucro atingiu R$ 43,2 milhões, o melhor trimestre do ano.

As petroquímicas brasileiras viram seu lucro corroer no ano passado. A entrada em operação da Rio Polímeros, empresa integrada do pólo gás-químico do Rio de Janeiro, afetou o mercado brasileiro de resinas, com o excesso de oferta, na primeira metade de 2006.

A Riopol acumulou prejuízo de R$ 92 milhões entre abril e dezembro de 2006, apesar de ter registrado perda de apenas R$ 2,2 milhões no quarto trimestre.

Isso afetou as margens dos fabricantes de resinas, que atuam na segunda geração da cadeia petroquímica, fornecendo produtos para a indústria de transformação de plástico.

A Braskem, maior petroquímica do país, controlada pelo grupo Odebrecht, lucrou R$ 82 milhões. Houve uma queda expressiva em relação ao resultado de R$ 680 milhões obtido em 2005. A Suzano Petroquímica teve ganhos de meros R$ 16,7 mil.

Por outro lado, as centrais de matérias-primas tiveram resultados maiores, beneficiando-se da alta dos insumos básicos e conseguindo repassar os custos para a segunda geração.

Foi o caso da Copesul, a central de matérias-primas do pólo petroquímico gaúcho, que lucrou R$ 615,2 milhões em 2006, um resultado 10,5% maior do que o obtido no ano anterior.

A Petroquímica União (PQU), central do ABC paulista, registrou lucro de R$ 147,9 milhões. O ganho da central de matérias-primas, que tem a Unipar como sua principal acionista, foi de quase 80%, apesar da ajuda de um ganho tributário sobre as compras de nafta.

" Os transformadores de plásticos também tiveram um ganho interessante no ano passado " , disse um atento observador do setor. " Isso significa que eles estão investindo agora para aumentar sua produção, comprando novas máquinas e equipamentos. " (Fonte: Valor Econômico Online)