Dow terá 70% de especialidades no portfólio
26/02/2007

São Paulo, 26 de Fevereiro de 2007 - Para enfrentar um cenário de margens apertadas devido ao alto preço do petróleo, a Dow Brasil, subsidiária de uma das maiores petroquímicas do mundo, a Dow Chemical, pretende aumentar a participação de produtos de maior valor agregado em seu portfólio, dos atuais 50% para 70% nos próximos quatro anos.

"O barril de petróleo deve seguir entre US$ 55 e US$ 60 este ano. Um dos instrumentos para ampliar as margens será o aumento de especialidades no Brasil", disse o vice-presidente executivo de Plásticos e Químicos de Performance da Dow Brasil, Romeo Kreinberg.

O presidente da Dow na América Latina, Pedro Suarez, salientou que petróleo com preço alto e o câmbio desfavorável às exportações no Brasil não devem impedir o crescimento natural da Dow. "É verdade que estes fatores não ajudam. Mas é nosso negócio e temos de nos ajeitar e encontrar soluções. O investimento em escala de produção maior e mais produtos de valor agregado maior são bons instrumentos para ajudar a empresa", disse Suarez.

O executivo dá como exemplo do esforço da empresa em ampliar as chamadas "não-commodities" o lançamento, no final de 2006, da nova unidade de negócios da empresa no mundo: a Dow Water Solutions. A divisão vai operar também no Brasil e trará tecnologias de componentes voltados para o avanço da desalinização e purificação da água, além de remoção de contaminantes.

A nova divisão da companhia tem previsão de faturamento anual de US$ 400 milhões no mundo, segundo o vice-presidente de Plásticos e Químicos da Dow Brasil. Deste total, a unidade do Brasil deve alcançar um faturamento de US$ 20 milhões.

Segundo a empresa, a Dow Brasil produz hoje cerca de 50% de seu portfólio de produtos de commodities e a outra metade de não-commodities. Entre os produtos de alta performance feitos no País estão resinas processadas para a construção civil, os produtos da divisão Dow Automotiva, da Dow Epóxi, poliuretanos, termofixos entre outras especialidades químicas como os polímeros especiais.

A empresa lançou na sexta-feira a pedra fundamental das obras do programa Embaixadores do Meio-Ambiente. A iniciativa é feita em associação com a ONG Instituto Jean-Michel Cousteau. Segundo o explorador, a época apenas das críticas às empresas acabou. "Os consumidores somos nós. Precisamos ensinar as empresas e corrigi-las", disse o filho de Jacques Cousteau.

A Dow Brasil teve no ano passado um faturamento no Brasil de cerca de US$ 2,3 bilhões. Em 2005 a subsidiária brasileira faturou US$ 1,9 bilhão. Em 2004 a receita foi de US$ 1,6 no Brasil. (Fonte: Gazeta Mercantil)