Pac é positivo, mas poderia ser mais ousado
24/01/2007

As medidas anunciadas nesta manhã pelo governo federal dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) são positivas, mas poderiam ser mais ousadas, na avaliação do presidente do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp), José Ricardo Roriz Coelho. Conforme Roriz, que é co-presidente da Suzano Petroquímica, o pacote possibilita a criação de um ambiente favorável a novos investimentos e reúne uma série de ações que contribuirão para o crescimento do País. "Mas itens importantes e essenciais para a aceleração do crescimento, como redução da carga tributária, queda mais rápida do juro e corte dos gastos públicos, não vieram como era esperado", afirmou à Agência Estado. Segundo Roriz, medidas mais drásticas, que repercutissem na queda mais acelerada da taxa de juros e no câmbio, teriam impacto maior na atração de novos investimentos. "Hoje, novos investimentos não ocorrem por conta dos juros e do câmbio e o governo não deu nenhuma sinalização em relação a esses dois fatores", analisou. De acordo com Roriz, as medidas de estímulo ao setor de infra-estrutura, consideradas os destaques do PAC, devem repercutir positivamente nos negócios da indústria petroquímica. "Dentre as resinas, o PVC (utilizado em edificações e obras de infra-estrutura) deve sentir o impacto mais forte", disse. Já em relação aos projetos relacionados ao setor previstos no programa, o presidente do Siresp lembrou que não há novidades. "Na área de projetos não houve novidades. Eles já eram conhecidos". (Fonte: Agência Estado.