Consumo aparente de resinas cresce 11,9% até setembro
30/10/2006

O consumo aparente de resinas termoplásticas no País subiu 11,9% no acumulado de janeiro a setembro, quando da comparação com igual intervalo do ano passado, para 3,153 milhões de toneladas, segundo dados do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp). No intervalo, o consumo aparente de policloreto de vinila (PVC) cresceu 5,7%, para 558,6 mil toneladas, e o de polipropileno registrou alta de 7,7%, para 854,2 mil toneladas. Dentre os polietilenos, o de baixa densidade linear (PEBDL) e o de alta densidade (PEAD), apuraram crescimento no consumo aparente de 33,9% (423,7 mil toneladas) e 20,1% (621,5 mil toneladas),respectivamente. Já o de baixa densidade (PEBD) registrou recuo de 1% no indicador, para 408,5 mil toneladas.

Conforme o Siresp, as vendas internas de resinas termoplásticas subiram 11,5% no acumulado dos nove meses do ano, para 2,526 milhões de toneladas. O destaque dentre as resinas analisadas ficou por conta do polietileno de baixa densidade linear (PEBDL), que registrou alta de 31,8% nas vendas internas nesse intervalo, para 247,6 mil toneladas. Em PP, o crescimento acumulado até setembro é de 10,5%, para 690,3 mil toneladas e em PVC, de 11%, para 457,7
mil toneladas. As vendas internas de PEBD subiram 0,4% na mesma comparação, para 384,2 mil toneladas, e as de PEAD registraram alta de 15,1% (para 482,2 mil toneladas).

As exportações de resinas termoplásticas, por sua vez, totalizaram 767,7 mil toneladas de janeiro a setembro, uma alta de 6,1%. Nessa linha, os destaques ficaram por conta dos polietilenos de baixa densidade linear (+18,4%, para 117,3 mil toneladas) e de alta densidade (+25,1%, para 233,7 mil toneladas), que no acumulado dos nove meses respondem pelos maiores volumes embarcados pela indústria. A produção de termoplásticos, por sua vez, subiu 12,3% no mesmo período, para 3,508 milhões de toneladas. As importações de resinas, por sua vez, recuaram 1,1% em nove meses, para 412,9 mil toneladas.

O Siresp informa ainda que a demanda de resinas do mercado brasileiro, medida pela soma das vendas internas, importações e vendas internas para exportação (Vipe), subiu 10% de janeiro a setembro, para 3,073 milhões de toneladas. (Fonte: Agência Estado)