Indústrias da região do ABC reforçam investimentos
07/12/2010

O setor industrial da região deve reforçar investimentos no ano que vem. Em meio a um cenário econômico que abre boas perspectivas para 2011, especialmente no mercado interno, companhias de diversos setores planejam aportes para modernizar ou ampliar as fábricas e atender ao esperado aumento da demanda. Em todo o País, de acordo com pesquisa da CNI, o empresariado deve investir média de R$ 6,8 milhões em 2011, 7% a mais do que neste ano. O principal foco, segundo o estudo da CNI, será a expansão da capacidade. É o caso da Basf, que planeja aplicar R$ 30 milhões, nos próximos três anos (cerca de R$ 10 milhões por ano) na fábrica de São Bernardo, principalmente para aumentar a produção de tintas imobiliárias, da marca Suvinil. Segundo o diretor de tintas e vernizes para a América Latina, Marcelo Leonessa, o complexo fabril - que acaba de completar 60 anos de existência - passará a ter condições de produzir de 90 milhões a 100 milhões de litros a mais, em relação ao volume atual (de 330 milhões), até 2013.

Para o executivo da Basf, a economia aquecida, o mercado de construção em alta, eventos esportivos (Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016) e o PAC trazem expectativa de crescimento na demanda. Outra empresa do ramo, a AkzoNobel, que tem fábricas em Santo André, São Bernardo e Mauá, não revela quanto vai aplicar em 2011, mas a intenção é dar continuidade a investimentos e fazer a expansão da capacidade produtiva das unidades fabris. Neste ano, foram aportados R$ 100 milhões e metade disso na área de tintas decorativas. A Rhodia deve, no mínimo, repetir o investimento de 2010, de US$ 50 milhões no ano que vem e a Quattor planeja colocar mais R$ 250 milhões nas fábricas do Grande ABC em 2011. Para o VP da unidade de básicos dessa empresa, Celso Ferreira, a economia crescerá 5% e a petroquímica espera superar esse percentual de expansão.