Basf inicia reestruturação do negócio de pigmentos que envolve 22 plantas em todo o mundo
15/04/2010

Para dar continuidade a reestruturação, iniciada em 2009, com a aquisição da Ciba, a alemã Basf está consolidando seu negócio de pigmentos. Com isso, a empresa irá cortar cerca de 500, dos 2900 empregos da produção de pigmentos. Também serão fechadas 6 plantas, ao redor do mundo. O processo que irá começar esse ano, deve estar completo em 2013. O negócio de pigmentos da Basf engloba 22 plantas, no mundo e, com a aquisição da Ciba, a Basf ficou com produtos repetidos, em seu portfólio. Assim, a empresa irá excluir alguns desses produtos e diminuir a ociosidade de algumas plantas, e por isso a redução nos empregos. Os cortes ocorrerão nos pigmentos azo e ftalocianinas, que são utilizados em borrachas e poliuretanos.



Nas antigas plantas Ciba de Grenzach (Alemanha) e Paisley (Escócia), serão cortados 320 empregos. A unidade da Holanda também será afetada. Na unidade do Brasil, em Guaratinguetá, 90 posições serão eliminadas. As plantas de pigmentos de Louisville e Elyria serão fechadas, afetando 80 empregos. No entanto, as mudanças da Basf não serão apenas de cortes. Seis plantas da empresa serão expandidas ou reavaliadas, para uma melhor eficiência. Um exemplo é o complexo de pigmentos inorgânicos, que estava situado em Elyria, e será transferido para Besighim, Alemanha. Pigmento azo de Louisville será transferido para a Ulsan (Coréia do Sul) e Paisley. Além dessas, outras plantas que receberão investimentos: Qingdao e Xangai (China), Monthev (Suíça) e Ludwigshafen (Alemanha). A empresa afirma que seus setores de marketing e vendas irão auxiliar os clientes, durante o processo de reestruturação.