Indústria química quer investir US$ 132 bi até 2020
07/12/2009

A Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) divulgou na última sexta-feira (4) um programa que tem por objetivo colocar o Brasil entre as maiores fabricantes de produtos químicos do mundo. O projeto, chamado de Pacto Nacional da Indústria Química, estima que o setor precisará investir US$ 132 bilhões até 2020 para, ao final da próxima década, eliminar o déficit comercial que em 2009 deve alcançar US$ 18 bilhões. O projeto prevê, ainda, que a indústria química poderá criar até 2,3 milhões de vagas com os novos aportes.De acordo com o presidente do conselho diretor da Abiquim, Bernardo Gradin - também presidente da Braskem -, a maior parte do investimento, equivalente a US$ 87 bilhões, será necessária apenas para acompanhar o crescimento do produto interno bruto (PIB). A estimativa considera um crescimento médio do PIB de 4% ao ano. Para viabilizar esses investimentos, no entanto, a indústria química propõe diversos aperfeiçoamentos a serem feitos pelo governo brasileiro, de forma a promover uma mudança expressiva no patamar de competitividade do setor. O Pacto Nacional, explicou Gradin, tem como propostas a alteração da estrutura tributária do setor, a maior competitividade da matéria-prima fornecida no Brasil, a melhora das condições de infraestrutura e logística, o incentivo à inovação e tecnologia e a oferta de crédito suficiente para tornar o Brasil a quinta maior potência na indústria química mundial - o Brasil hoje ocupa a nona posição do mundo. Gradin, que apresentou o projeto durante o 14º Encontro Anual da Indústria Química, promovido pela Abiquim, prevê que um grupo de trabalho, composto por membros das diversas áreas envolvidas nos temas, começará a se reunir a partir do início de 2010 para iniciar as discussões em torno do projeto. "Notamos o governo bastante favorável à criação de um grupo de trabalho", reforçou.



(Fonte: O Estado de São Paulo, 07/12)