Copersucar cresce com conquista de novo e importante sócio
22/10/2009

Copersucar S.A. deverá faturar R$ 8,5 bilhões na safra 2009/2010, com aumento de 61% em relação à safra anterior. A Copersucar S.A. conquistou mais uma associada, a Pioneiros Bioenergia S.A., que passa a integrar também a Cooperativa. Com esta nova associada, a Copersucar contabiliza 35 unidades produtoras localizadas em São Paulo, Paraná e Minas Gerais. Dessas, 13 unidades se associaram nos últimos quatro anos, mostrando uma nova dinâmica de crescimento da maior empresa de comercialização de açúcar e etanol do País. A Pioneiros surgiu em 1979, quando Cícero Junqueira, Marco Antônio Marinho Junqueira Franco, Arnaldo Shigueyuki Enomoto e pecuaristas da região de Sud Mennucci, região Noroeste do estado de São Paulo, decidiram substituir uma fazenda de engorda de gado (Fazenda Santa Maria da Mata) por uma destilaria de etanol. O empreendimento, na visão de seus fundadores, possibilitaria dinamizar a economia local e gerar empregos fora do tradicional setor agropecuário. Atualmente, seus acionistas são a família Cícero Junqueira Franco, Arnaldo Shigueyuki Enomoto e outros acionistas minoritários. A Pioneiros começou a produzir etanol dois anos depois. A partir de 1994, passou a produzir também açúcar. A usina tem capacidade para processar 2 milhões de toneladas de cana e deverá produzir 100 mil toneladas de açúcar e 70 milhões de litros de etanol na safra 2009/2010. A associação da Pioneiros Bioenergia representa para a Copersucar importante alavancagem em sua meta de crescimento, pelo aumento do volume de produtos em seu portfólio e, principalmente, pela liderança que a nova associada sempre deteve na região oeste do estado. A Copersucar tem contrato de 10 anos com a Solvay Indupa do Brasil S.A. para fornecimento de cerca de 140 milhões de litros anuais de etanol para produção de PVC. A Solvay será a primeira empresa do continente americano a fabricar PVC com etileno derivado de etanol a partir de 2010. Assinou, também, contrato com o Japão para a venda de 200 milhões de litros anuais de etanol destinados à fabricação de bio-ETBE, para adição à gasolina consumida naquele país. O acordo representa receitas da ordem de US$ 100 milhões anuais.
(Fonte: Fator Brasil)