Setor petroquímico recupera margens no 3º trimestre
24/08/2009

A tendência de expansão das margens da indústria petroquímica nacional registrada no segundo trimestre deverá se repetir nos balanços referentes ao período de julho a setembro. Esse movimento, ocasionado pelo aumento do volume vendido e dos preços dos produtos, impactará os resultados das fabricantes de resinas Braskem e Quattor, e também das produtoras de especialidades químicas, casos da Unipar e da Ultrapar. Essa última, que controla a rede Ipiranga, entre outras empresas, ainda deverá ser beneficiada pela recuperação das vendas de diesel. O resultado da expansão das margens das três principais empresas do setor, listadas na Bolsa - Braskem, Ultrapar e Unipar (controladora da Quattor) - foi constatado no Ebitda, do segundo trimestre. O indicador, que mede a geração de caixa das empresas, totalizou R$ 1,072 bilhão no resultado conjunto das três companhias, uma expansão de 32,7% em relação ao resultado dos três primeiros meses de 2009 e de 16,6% ante igual período do ano passado. O Ebitda das três empresas apresentou crescimento nas duas bases de comparação. Os dados considerados na análise já incluem a incorporação da Texaco pela Ultrapar, o novo formato da Unipar com a formação da Quattor e a nova estrutura da Braskem, após a incorporação da Petroquímica Triunfo. No caso da Unipar e Braskem, que atuam no segmento de petroquímicos básicos e resinas, a recuperação da margem foi ocasionada pela queda dos custos das matérias primas e pelo aumento da taxa de utilização das unidades. A Braskem, por exemplo, encerrou o 2º trimestre com taxa de utilização das linhas de eteno em 93%, ante 73% do primeiro trimestre deste ano. A Quattor, controlada pela Unipar, também voltou a operar todas as suas linhas de produção, à medida que desenvolveu novos mercados no exterior.

(Fonte:Agência Estado)