Braskem adia planos de internacionalização
10/08/2009

A anunciada expansão internacional da petroquímica Braskem foi adiada mais uma vez. Com planos de produzir resinas termoplásticas na Venezuela e no Peru. O novo cronograma estabelece que a fábrica da Propilsur, nome da joint venture que produzirá 455 mil toneladas de polipropileno, resina utilizada na produção de auto-peças plásticas e sacos industriais, começará a operar em 2013. O plano original era no fim de 2011. A Poliamérica, que produzirá 1,3 milhão de toneladas de polietileno, usado em embalagens em geral, será inaugurada em 2014, dois anos depois do previsto. A Poliamérica, que produzirá 1,3 milhão de toneladas de polietileno, usado em embalagens em geral, será inaugurada em 2014, dois anos depois do previsto. Esse novo adiamento foi decidido pela direção da Propilsur, joint venture entre Braskem e a estatal venezuelana Pequiven. Braskem, Petrobras e Petroperu, informam ainda, que a construção de um complexo petroquímico no Peru deverá ser postergada, assim como previsto em relação aos projetos de Braskem e Pequiven, na Venezuela. O cronograma inicial, que sugeria o início das operações entre 2014 e 2015, deverá ser ajustado para 2016. O adiamento no início das operações da fábrica, que terá capacidade de produção anual de 1,2 milhão de toneladas de polietilenos, é explicado pela necessidade de aumento da oferta de gás natural, em território peruano, explica o vice presidente da Braskem. Estudos apontam que, para o projeto se tornar viável, a oferta firme de gás natural precisa ser de 40 milhões de m³, o que ainda não ocorre no país sul-americano.

(Fonte: Agência Estado, Valor Econômico e DCI)