Setor de plástico prevê fim do déficit da balança em 3 anos
27/07/2009

O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), Merheg Cachum afirmou que o setor plástico pretende equilibrar sua balança comercial em três anos e inverter o resultado, atualmente deficitário para o Brasil, também em curto prazo. Para ele, esses cenários tornam-se viáveis se o governo incentivar a indústria com a redução de impostos, investimentos em tecnologia e promoção junto ao comércio exterior. "Para equilibrarmos a balança comercial e invertermos os números a favor do Brasil, primeiro temos que divulgar mais as empresas brasileiras no exterior, temos que nos tornar mais competitivos, para isso o governo teria que diminuir a carga tributária. Com essas ações os empresários teriam recursos para investir em tecnologia e se empenharem na busca por outros mercados", explicou Cachum. No acumulado do ano, até junho, a indústria plástica detém uma retração de US$ 379,1 milhões, ante US$ 427 milhões em igual período do ano passado. O valor obtido é resultado de US$ 550,1 milhões em exportações, contra US$ 929,2 milhões nas importações. A melhora de 11,23% no saldo da balança comercial deve-se ao recuo de 18,22% nas exportações e à queda de 15,51% nas compras do setor plástico internacional. O presidente da entidade afirmou ainda que o mercado doméstico teve uma ligeira alta, ocasionada em decorrência da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis e linha branca. "Com a redução da tributação para os setores de eletrodomésticos e veículos, as pessoas passaram a consumir e, como estes utilizam materiais plásticos, nossas vendas (setor) tiveram um pequeno crescimento", argumenta.

(Fonte: DCI)