Comperj tem processo inovador de produção
11/05/2009

Inovador na concepção, o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) vai fabricar insumo petroquímico, a partir do petróleo pesado extraído do Campo de Marlim, na Bacia de Campos, e não da nafta, um derivado que o Brasil não produz em larga escala. A indústria hoje importa a maior parte da nafta que usa. Será como pular uma etapa. O petróleo brasileiro é, em sua maioria, do tipo pesado, com menor cotação no mercado internacional. Também não tem as características ideais para a fabricação de nafta. O Centro de Pesquisas da Petrobras – Cenpes – desenvolveu, nos últimos anos, uma tecnologia para transformar este petróleo pesado, em insumo. A tecnologia já foi testada e aprovada, mas ainda não foi usada em escala comercial.

(Fonte: O Estado de S. Paulo)