Braskem assinará nova regra de nafta com Petrobras
09/03/2009

Afetada pela alta volatilidade no preço da matéria-prima e do câmbio nos últimos tempos, a Braskem voltou a acenar com a possibilidade de mudanças nas regras de definição da cotação da nafta, que representa cerca de 80% dos custos da petroquímica. A companhia prevê assinar com a Petrobras, sua principal sócia, um novo contrato de fornecimento da matéria-prima até o fim deste mês. A intenção é aumentar o "horizonte de tempo" para definição do preço da nafta. O presidente da Braskem, Bernardo Gradin, disse que o contrato deverá estabelecer melhores condições de preços, criando um cenário mais sustentável ao longo do tempo para a companhia. Ele não deu maiores detalhes alegando confidencialidade nas conversas com a Petrobras, mas afirmou que a mudança poderá reduzir alguma volatilidade. A mudança drástica nos preços da nafta tem afetado a cadeia petroquímica. "Vivemos um 2008 com momentos bem distintos nos dois extremos", disse Gradin. A Braskem foi afetada pela alta volatilidade da nafta, que chegou a ser cotada a US$ 1.140 por tonelada em julho para, depois da crise, despencar para US$ 240 por tonelada em dezembro. O contrato, que era previsto para ser firmado com a estatal no fim de 2008, mudará a fórmula existente há quase uma década. A Braskem compra anualmente 5 milhões de toneladas da matéria-prima da Petrobras, além de 3 milhões de toneladas adquiridas do exterior de fornecedores da América do Sul e África.



(Fonte: Valor Econômico e a Folha de S. Paulo)