Comperj tem de ter
09/03/2009

Em fase de avaliação, a Braskem está para começar a produção de resinas plásticas do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), o projeto bilionário de refino de óleo pesado e fabricação de produtos de segunda geração petroquímica desenvolvido pela Petrobras, mas espera que o empreendimento tenha inicialmente um "viés exportador ", disse o presidente da petroquímica, Bernardo Gradin. O Comperj, que deve entrar em operação até 2014, deverá produzir 850 mil toneladas de polipropileno e 1,3 milhão de toneladas de polietileno por ano. A indústria petroquímica brasileira vive neste momento uma grande oferta de resinas. Até o fim deste semestre, a Quattor entra com uma nova capacidade de produção de polietilenos, adicionando mais 200 mil toneladas no mercado. Para Gradin, a expectativa é de que a concorrente avance sua nova produção sobre a participação das resinas importadas.



(Fonte: Valor Econômico e O Globo)