Governo de Pernambuco aposta em participação da Reliance no Pólo de Suape
17/11/2008

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, esteve na Índia e nos Emirados Árabes e encontrou-se com representantes da Reliance, maior grupo privado indiano, interessado em participar do pólo petroquímico em Suape, em parceria com a Petrobras. O grupo “vai viabilizar a planta de ácido tereftálico (PTA) e poliéster (POY) - resina da refinaria transformada em fios sintéticos - para a indústria têxtil e de confecções”. De acordo com Campos, a planta de POY acabaria com a dependência brasileira do exterior, já que, hoje, “o Brasil importa todo o produto que consome e, com a fábrica, tudo será feito em Suape, melhorando também as condições de competição da indústria pernambucana”. Para o governador, “esta é uma fábrica tão estratégica quanto a da refinaria”. A Petroquímica Suape era 50% de participação da Petroquisa e 50% da Companhia Integrada Têxtil do Nordeste (Citene), para construir a planta de PTA. No entanto, recentemente, o grupo Vicunha, controlador da Citene, saiu do negócio, deixando a Petroquisa com 100% do empreendimento, o que também atrasou as negociações para a construção da fábrica de fios de POY.

(Fonte: Folha de Pernambuco)